1
dossiê
EM OBRAS

Dez anos depois: um debate com Paulo Herkenhoff
Por Maria Helena Carvalhaes

O curador da XXIV Bienal de São Paulo, de 1998, uma das mais influentes da história da instituição, discute o impacto do evento na crítica e na arte brasileira e internacional

Curador da influente XXIV Bienal Internacional de São Paulo, conhecida como Bienal da Antropofagia, o crítico de arte Paulo Herkenhoff discutiu o evento em São Paulo dez anos depois de sua realização. A palestra deu início ao projeto Seminários Semestrais de Curadoria, organizados pelo programa de mestrado em artes visuais da Faculdade Santa Marcelina. O evento foi coordenado e mediado pela crítica de artes Lisette Lagnado, curadora da Bienal e professora da Santa Marcelina.

Na introdução ao encontro, Lagnado discutiu as tarefas do curador e abordou alguns aspectos marcantes da Bienal da Antropofagia, entre eles a centralidade conferida à arte brasileira. Houve uma inversão da perspectiva interpretativa do Brasil que a Bienal da Antropofagia gerou nos olhos da crítica estrangeira. E esse foi, segundo Lisette, um dos grandes fatores que contribui para a força histórica adquirida pelo evento (leia a palestra de Lagnado em Trópico, clicando no link ao final deste artigo).

Para Herkenhoff, cada Bienal não deveria se reduzir a conceber modelos curatoriais ou propor eixos temáticos, mas sim criar critérios epistemológicos para a renovação da reflexão sobre arte.

Nos primeiros minutos de sua palestra, ele apresentou sua visão sobre o que é a curadoria: um exercício de produção de conhecimento, um campo do pensamento crítico que lida com a corporeidade das obras, projetando temporariamente sentidos e significados em torno delas, submetendo-as a hipóteses problematizadoras.

Segundo ele, trata-se de um trabalho sensível, mas não artístico. Herkenhoff deixa claro que não enxerga suas curadorias como obras e diz considerar-se, enquanto curador, um depositário do signo do outro -este sim o artista.

Após essa reflexão sobre a missão do curador, ele abordou a importância histórica da Bienal em seus diversos aspectos e seus próprios pontos de partida como curador: as regras a que se propôs, os procedimentos de tomada de decisão e os próprios conceitos utilizados para a interferência no espaço, seleção das obras e articulação entre elas.

Enfatizou amplamente dois aspectos de seu trabalho: a busca por fortalecer a relação entre a Bienal de São Paulo e a cidade que a abriga -pois considera que o grande diferencial positivo do evento está no fato dela trazer uma imensa metrópole por trás- e o interesse em gerar na cena internacional ao menos um conhecimento mínimo em relação à arte brasileira.

Por esse motivo, propôs-se a buscar uma questão de importância histórica na arte brasileira e trazer essa discussão para o cenário contemporâneo. Ele assumiu, assim, a Antropofagia como posição teórica: um projeto de emancipação cultural, autônomo, mediante a contribuição de outras culturas; um assunto transversal à história da cultura nacional, irredutível a uma única imagem.

Ao final da palestra (leia a integra em Trópico, clicando no link ao final deste artigo), Herkenhoff discutiu com o público a respeito de seu trabalho e da Bienal da Antropofagia. Leia a seguir algumas das perguntas e respostas.

*

Após 10 anos, qual a sua avaliação do impacto internacional da XXIV Bienal? Houve quebra ou transformação da hegemonia de conceitos curatoriais dos Estados Unidos e da Europa? Foi um debate momentâneo de quebra dessa hegemonia ou houve mudança na relação política entre centro e não-centro? (pergunta do crítico e curador Felipe Chaimovich)

Paulo Herkenhoff: Para mim, curadoria tem o sentido de incorporar o que está excluído da história. Em relação ao que aconteceu após a Bienal de 98, eu fico até constrangido em falar sobre isso, e só direi porque considero que uma Bienal é sempre uma iniciativa coletiva.

Houve pessoas, curadores, que escreveram que essa Bienal mudava a perspectiva da arte ocidental, o modo de escrever a arte ocidental. A revista "Art Forum'' colocou-a entre as principais exposições da década de 90. Mas isso não é importante. Para mim, o importante mesmo é essa possibilidade de você, através da presença das obras, apresentar documentos que evidenciam uma história. Eu acredito que a curadoria tem uma tarefa histórica mesmo.

O grande ganho que observo após essa Bienal é encontrar um texto no qual a Antropofagia não precisa ser explicada, pois ela já é aplicada. É você encontrar um artista ou curador, mesmo que de outros países, dizendo: "Mas isso também é nosso". É isso: uma idéia com esse poder de estabelecer capilaridades, como textos atuais que se referem aos parangolés sem nem precisar dizer de quem são.


Gostaria que Paulo esclarecesse melhor porque acha que educação não deve estar dentro da Bienal. Não seria interessante ter um núcleo de educação pensando continuamente as questões da mediação educativa para a arte contemporânea dentro dela? (pergunta da educadora Denise Grinspum)

Herkenhoff: Obrigado pela pergunta, mas eu queria esclarecer porque a última coisa que eu diria seria isso. O que coloco é o seguinte: existe uma diferença curatorial no Brasil que é o crescente interesse pela educação.

Penso numa discussão em 99, com Paulo Sérgio Duarte, na qual eu dizia que a Bienal de 98 não lidou com a fetichização do mercado, nem com um Brasil de estereótipo, folclórico, mas sim com questões conceituais, entre elas a educação, e ele respondeu que "a educação foi um álibi". E pensá-lo na Bienal do Mercosul, que ele realizou, trabalhando com a educação na mesma dimensão, é um ganho fantástico. Acho que isso, hoje, diferencia muito a questão da curadoria no Brasil. Não pela educação em si, mas pelo grau de engajamento das instituições, dos curadores, dos departamentos educativos. Como Evelyn Ioschpe, que há 15 anos atua com educação e sociedade, e que realizou o trabalho educativo da Bienal de 98. Os resultados não são gratuitos.

Há, contudo, um modelo de curadoria que ainda não está pensando nisso. O modelo do MoMA é produzir conhecimento de história da arte. Porém, nesse momento, há paralelamente um departamento de educação no MoMA que vem crescendo. Mas eu não consigo pensar que isso seja uma obrigatoriedade absoluta, acho que faz parte de uma consciência social que distingue o Brasil, no sentido de entender que uma exposição de arte é construção de cidadania, em que a educação é fundamental, e o curador é um agente desse processo.


Você acredita que a intenção curatorial esteja sendo apresentada de forma clara nas exposições? Você acha que numa exposição caberia uma fala do artista (em texto) sobre seu trabalho, além da fala do curador?

Herkenhoff: Ter consciência de que curadoria é um processo de poder é o primeiro passo para o curador se libertar de seu próprio desejo de poder. Em relação à fala do artista, eu não tenho nada contra nem a favor. No catálogo, acho que enriquece como registro, como uma fonte primária de informação. Então, acho que dar espaço à voz do artista é algo muito bom, desde que não seja para calçar um trabalho capenga.

A questão da intencionalidade vale para tudo, pois ela define uma obra de arte. Um quadro branco não é uma obra de arte a não ser que exista em seu processo uma justificativa intelectual e de experiência que demonstre uma intencionalidade. Na curadoria, muitas vezes os textos acabam servindo como muletas que justificam propostas que não se evidenciam.

Evidentemente que toda a intencionalidade declarada deve ter na obra de arte o seu momento de verdade, como a perspectiva crítica e histórica. Insisto que a obra de arte no espaço é o critério de verdade do olhar.


A partir da colocação de Paulo Herkenhoff de que "curadoria é um processo de produção temporária de sentidos sobre a obra" e de que é "antes de mais nada produção de conhecimento", como uma curadoria sai do âmbito do acontecimento para entrar para a história e efetivamente construir a história da arte?

Herkenhoff: Para a arte e para a história da arte uma curadoria talvez não tenha qualquer importância, porque uma curadoria não adere à obra de arte. Isso serve para acalmar aqueles que ficam muito nervosos... Calma, garoto, daqui uns meses isso acaba! Porém quando a gente pensa que uma curadoria pode ampliar as possibilidades de olhar uma obra, eu acho que estamos fazendo história, no sentido do que é um percurso intelectual de leitura da obra.


Com o fenômeno atual do artista como curador e levando em conta que a justaposição é um gesto artístico, pode o curador ser também um artista? Com isso poderíamos considerar uma exposição como uma escultura relacional?

Herkenhoff: Eu vou colocar a questão da intencionalidade. Eu não tenho nenhuma intenção de atuar como artista através das minhas exposições. Toda obra de arte que eu toque é maior do que qualquer coisa que eu faça. Isso para mim é fundamental. Eu pensei que eu era artista um dia. Eu fiz algo que as pessoas chamavam de arte, que o Zanini chamava de arte. Mas percebi que não é isso que eu quero.

Eu quero estar próximo da arte, mas não sou artista, e não busco um mecanismo compensatório na curadoria. Não, eu gosto de arte. Eu aprendi a gostar de arte com o meu pai e com a minha mãe, e é isso o que eu trago. Também respeito alguém que possa considerar a curadoria como um gesto artístico. Porém, o meu gesto não é, pois não há intencionalidade artística.


Por que a atual Bienal de 2008 vive esse momento de crise? E quais as alternativas para superá-la? (pergunta de Flávia Imoto)

Herkenhoff: Eu acho que a crise desse Bienal foi declarada por Cildo Meireles. É ele que rasga o velcro desse tempo da arte ao dizer que não participaria de uma Bienal que elegesse um conselheiro com o histórico de determinada pessoa. Sabemos que toda a instituição desse porte tem uma composição de conselheiros muito diversificada.

Existem alguns que estão há 30 anos na instituição. Há conselheiros que trazem seu aporte institucional, outros que trazem dinheiro. Esses últimos são poucos, pois não existe mecenato dentro do sistema de renúncia fiscal. Existe uma questão de status envolvida, quando se é conselheiro da Bienal de São Paulo, mas há pessoas que estão ali por trampolim, enquanto outros estão ali investindo seu tempo, seu saber.

Essa é uma questão que está contaminando a Bienal. Enquanto não se resolver o problema chamado Cildo Meireles como paradigma de uma crise ética, essa crise não vai se resolver, pois é preciso, antes de tudo, uma reflexão sobre todo o processo.

É importante ressaltar que a Bienal de São Paulo está na véspera de andar para frente ou para trás. Na véspera de ser o mais importante evento artístico do gênero no mundo ou se juntar ao terceiro pior dos três principais, que é Veneza. Ou seja, qual é o modelo ético que a Bienal de São Paulo quer para si?


Você identifica a presença antropofágica norteando a produção contemporânea? Em que medida?

Herkenhoff: Eu confesso que ficaria muito chateado se eu notasse uma presença antropofágica, pois isso seria sinal que a Antropofagia tornou-se modelo. O que faz a riqueza desse assunto é que cada artista inventa seu modo antropofágico. A Antropofagia de Raul Bopp não é a mesma de Oswald de Andrade, que não é a mesma de Goeldi, que evidentemente não é a mesma de Tarsila do Amaral, de Flávio de Carvalho, de Glauber Rocha, de Hélio Oiticica. É uma substância flutuante que cada um se relaciona como quiser. Não havia nenhuma intenção de criar um modelo.

É possível traçar um paralelo entre o conceito deleuziano de "pensamento nômade/pensamento sem imagem" com a Antropofagia oswaldiana?

Herkenhoff: É isso que eu coloquei, pois Oswald nunca propôs nenhum modelo plástico para nenhum artista. Um molde, um manual, seria antioswaldiano, antiantropofágico. O que faz a riqueza da Antropofagia é o fato de ela nunca poder ser reduzida a um modelo.

Contudo, depois de ter feito a Bienal, eu mesmo tenho evitado falar sobre a Antropofagia no trabalho de muitos artistas, exceto quando é uma questão bastante pontual e absolutamente necessária, pois eu não quero ficar usando a relativa aceitação da Bienal como legitimação do meu discurso crítico. O discurso do curador de uma Bienal não pode reger seu olhar sobre a produção contemporânea.


Publicado em 22/4/2008


link-se
As tarefas do curador, por Lisette Lagnado - http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/2974,1.shl

Bienal 1998: princípios e processos, por Paulo Herkenhoff - http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/2973,1.shl

.

Maria Helena Carvalhaes
É bacharel em ciências sociais pela USP e mestranda em artes visuais pela Faculdade Santa Marcelina (bolsista Capes/Prosup).

 
1